inovacao cor barra 2d4f04

Práticas de Inovação Social

Projeto Sertã Solidaria

1. Identificação da Entidade – Prática

Qual a designação da prática: Projeto Sertã Solidaria
Prática em: Referenciação
Entidade Responsável pela Prática: CRESAÇOR – Cooperativa Regional de Economia Solidária
Pessoa de Contato na Entidade: Célia Pereira
E-mail: celiapereira@cresacor.pt
Página Web e/ou Redes Sociais: http://www.cresacor.pt/
Telefone: 296281554

2. Identificação da Prática de Qualificação / Capacitação /Inovação Social

Identificação das áreas temáticas (Escolher a(s) opção/opções que melhor enquadre a prática): Inclusão Social, Voluntariado
Objetivos e finalidade da Prática: Atendendo à crescente procura dos serviços por parte de cidadãos carenciados que não se encontram abrangidos pelas políticas sociais, a CRESAÇOR – Cooperativa Regional de Economia Solidária, CRL., criou no ano de 2012 o Projeto Sertã Solidária, em parceria com o Instituto da Segurança Social dos Açores, a Direção Regional das Comunidades, ARRISCA e a Associação Novo Dia, e tem como objetivo central contribuir para a diminuição da fome no ambiente urbano da ilha de São Miguel, redirecionando os excessos de produção provenientes da restauração e similares.
O Projeto tem como finalidade disponibilizar refeições a título gratuito a cidadãos/famílias, selecionados pela CRESAÇOR/GAM, a Associação Novo Dia e outras IPSS’s, que se encontram transitoriamente em situação económica e financeira especialmente difícil.
Beneficiários e destinatários - público-alvo: Imigrantes, sem-abrigo, deportados, famílias desestruturadas, famílias sobreendividadas, beneficiários do RSI, jovens em risco, cidadãos em situação de precaridade económica e em situação de exclusão social e dependências.
Parceiros comprometidos com a prática [Indique as organizações comprometidas, formal e informalmente, com a prática]: As instituições comprometidas informalmente com a realização do Projeto Sertã Solidária são: o Instituto da Segurança Social dos Açores, a Direção Regional das Comunidades, a ARRISCA, e a Associação Novo Dia.
A Cresaçor celebrou um protocolo de parceria com a AHRESP (Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal).
Mais info disponível no descritor da prática.
Identificação do Princípio(s) em que a prática se inscreve. Selecione uma ou mais das seguintes opções: Equidade e Inclusividade

3. Fundamente a(s) escolha(s) acima referida(s): apenas o princípio que quer ver referenciado ou reconhecido

4. Caracterização e Construção da Prática

A que problema pretende responder? Que solução foi implementada?: O direito à alimentação, um dos pilares da nossa civilização, é um direito fundamental de todo o ser humano.No entanto, no atual contexto socioeconómico em que nos encontramos, existem grupos vulneráveis e desfavorecidos que não conseguem suprir as suas próprias necessidades alimentares.São variados e gravosos os efeitos nefastos desta privação no equilíbrio do ser humano, nomeadamente a precarização da saúde, e a diminuição do rendimento laboral e escolar.
Mais detalhe no descritor da prática.
Que competências foram necessárias para a construção da prática?: Todos os dias, em milhares de restaurantes por todo o país, toneladas de alimentos em perfeito estado iam parar ao lixo. Até que surgiu a pergunta: tem mesmo que ser assim? A ASAE esclareceu que não, que as regras existentes permitiam a doação da comida que sobrava. Tudo começou há três anos, com o Zero Desperdício e o Re-Food. Hoje, o movimento não para de crescer, em número de núcleos, voluntários e beneficiários.
Mais detalhe no descritor da prática.
Como foram envolvidos os beneficiários e destinatários da prática?: Os beneficiários são envolvidos na fase de execução do plano de apoio, comparecendo nas instalações da sede do projeto “Sertã Solidária”, apresentando um documento de identificação (Passaporte, Título de Residência, Bilhete de Identidade e/ou Cartão de Cidadão), assinando um contrato das regras de funcionamento do projeto.
Mais detalhe no descritor da prática.
Que metodologias e instrumentos foram utilizados?: A operacionalização do Projeto Sertã Solidária é concretizada pelas seguintes fases:

1. Contato com os doadores do projeto (o estabelecimento poderá aderir ao projeto, adquirindo a qualidade de doador, comprometendo-se a fornecer os excedentes das refeições confecionadas, gratuitas, e em boas condições de conservação).

1.1. Ao proceder à sua adesão, o estabelecimento deverá facultar um conjunto de informações relativas às condições em que as refeições irão ser disponibilizadas, nomeadamente os dias da semana, número de refeições a disponibilizar por dia e horário, em que as mesmas estão disponíveis. Para validar a sua inscrição, o estabelecimento aderente terá de aceitar os “Termos e Condições” propostos, que não são mais do que as do conteúdo do regulamento, acrescido da ficha de inscrição e autorização para a cedência dos dados do estabelecimento à entidade gestora do projeto.
Mais detalhe no descritor da prática.
Que dificuldades e obstáculos foram encontrados? Quais as formas encontradas para os superar?: As principais dificuldades, e obstáculos inconcordáveis, que foram encontrados inicialmente foram: a interpretação e clarificação da legislação em vigor; uma cultura instalada de consumismo caraterizada pela sobre produção, e desperdício em geral, sendo particularmente grave na área de alimentação; uma realidade económica e financeira não facilitadora de novos investimentos; falta de incentivos para estimular a recuperação da comida excedentária ao longo da cadeia alimentar (produção, distribuição e consumo).
Mais detalhe no descritor da prática.
A prática contribuiu para o reforço das competências dos atores, agentes e organizações envolvidos na sua construção? Quais e em que medida?: O Projeto Sertã Solidária alem da equipa técnica é também realizado com o apoio de 7 voluntários, que de segunda a sexta-feira, apoiam o projeto a recolher, embalar e distribuir as refeições para os cidadãos/famílias previamente sinalizadas.
Mais detalhe no descritor da prática.
A prática demonstra valor e mais-valias que garantem a sua autossustentação e viabilidade?: Sim. O projeto é financiado pelo Governo dos Açores – Direção Regional das Comunidades desde 2012 e inclusivamente já mereceu, por diversas vezes, destaque regional e nacional, no primeiro ano ainda embrionário, recebeu o “Prémio de Entidade do Mês de Novembro ”através da Fundação Galp Energia, que atribuiu à Cresaçor o prémio, devido à boa prática de distribuição dos excedentes alimentares.
Mais detalhe no descritor da prática.
Liste e anexe evidências relevantes para aprofundamento da prática (links sites, fotografias, documentos resumo, documentos síntese de avaliação, testemunhos, notícias, etc.: http://rd3.videos.sapo.pt/eLUeftEJjoR6sn8YzKLd - Sertã Solidária - 8 de Junho de 2012
http://www.impulsopositivo.com/content/excedentes-transformados-em-refeicoes-para-quem-precisa-nos-acores - Excedentes transformados em refeições para quem precisa nos Açores – 6 de Junho de 2012
http://www.galpenergia.com/PT/agalpenergia/Fundacao-Galp-Energia/Paginas/Entidade-Novembro2012.aspx - Entidade de Novembro de 2012 -
http://www.ahresp.com/da/docs/RECOLHA-DE-EXCEDENTES-ALIMENTARES-ACORES.pdf - Recolha De Excedentes Alimentares - Açores Projeto Sertã Solidária
http://www.correiodosacores.net/view.php?id=39135 - Cresaçor avança com projecto de recolha: Excedentes alimentares dos restaurantes oferecidos aos pobres – 6 de Junho de 2012
Mais detalhe no descritor da prática.

Anexos
IMG_20151120_150356.jpg
IMG_20151120_150300.jpg
DSC05323.JPG
IMG_20160208_155723.jpg
modelo_Descritor-da-Pru00e1tica_final-com-comentu00e1rios.docx

5. Transferência, Incorporação e Disseminação da Prática

Em que medida pensa que a prática pode ser útil a outras organizações?: Em que medida pensa que a prática pode ser útil a outras organizações? (Máx. 1000 Carateres)
Muitas iniciativas têm sido tomadas pelo mundo fora, para encontrar respostas que contrariem a triste realidade, do desmesurado desperdício alimentar. Portugal tem condições para liderar, neste processo, contando com a sociedade civil inovadora, e considerando as características especiais de generosidade e solidariedade dos portugueses – diariamente manifestada na experiência vivida no projeto Sertã Solidária.
Acreditamos na boa vontade e empenho de todos os portugueses incluindo, obviamente, os seus representantes e acreditamos que, juntos, podemos ajudar a acabar com o desperdício alimentar, e a minorar a fome no nosso país.
Mais detalhe no descritor da prática.
Em que medida estaria disponível para apoiar uma adaptação da prática a outros contextos ou trabalhá-la em parceria com a Rede ANIMAR?: A CRESAÇOR – Gabinete de Apoio ao Migrante está disponível a disseminar a prática do projeto Sertã Solidária com outras instituições.
Mostrar Entrada no Site: Sim, quero mostrar a minha entrada no site

Redes e Parcerias

Parceiro1 Cases   Parceiro2 Ripess   Parceiro3 CNES   Parceiro4 Comuna Carta Portuguesa para a Diversidade

Financiado Por

 financiadores02 financiadores03 financiadores04