inovacao cor barra 2d4f04

Práticas de Inovação Social

EME TSH Alentejo: Equipa Multidisciplinar Especializada para Assistência a Vítimas de Tráfico de Seres Humanos

1. Identificação da Entidade – Prática

Qual a designação da prática: EME TSH Alentejo: Equipa Multidisciplinar Especializada para Assistência a Vítimas de Tráfico de Seres Humanos
Prática em: Referenciação
Entidade Responsável pela Prática: Associação para o Planeamento da Família – Equipa Multidisciplinar Especializada para a Assistência a Vítimas de Tráfico de Seres Humanos
Pessoa de Contato na Entidade: Paulo Pelixo
E-mail: apf.sostsh.alentejo@gmail.com
Página Web e/ou Redes Sociais: http://www.apf.pt
Telefone: 266785018

2. Identificação da Prática de Qualificação / Capacitação /Inovação Social

Identificação das áreas temáticas (Escolher a(s) opção/opções que melhor enquadre a prática): Cidadania e Igualdade, Inclusão Social, Formação / Capacitação
Objetivos e finalidade da Prática: Desde 2012 que a APF presta assistência especializada aos vários tipos de vítimas de TSH através de 5 Equipas Multidisciplinares Especializadas Regionais (EME) - Norte, Centro, Lisboa, Alentejo e Algarve. Estas cinco equipas levam a cabo uma intervenção direcionada para a assistência a vítimas de TSH a nível regional, atuando numa ótica de proximidade e articulação com diversos intervenientes locais nos processos de sinalização, identificação e integração de presumíveis vítimas. Estas equipas têm permitido uma intervenção descentralizada e especializada na identificação e apoio a vítimas de TSH e uma maior capacitação e sensibilização para o fenómeno.
A Equipa Multidisciplinar Especializada para a Assistência a Vítimas de Tráfico de Seres Humanos do Alentejo (EME TSH Alentejo), intervém em toda a Região Alentejo do País.
Beneficiários e destinatários - público-alvo: Os/as beneficiários/as deste projeto são: 1)todas as pessoas vítimas de TSH, no sentido de garantir segurança, estabilidade e suporte às vítimas, na perspetiva de uma assistência de continuidade e em articulação interinstitucional; 2)grupos específicos de destinatários das ações de informação e sensibilização, para o aprofundamento do conhecimento sobre TSH, nomeadamente profissionais e técnicos de diferentes áreas, com intervenção direta ou indireta no fenómeno em causa, bem população em geral.
Parceiros comprometidos com a prática [Indique as organizações comprometidas, formal e informalmente, com a prática]: Associação dos Amigos da Criança e da Família “Chão dos Meninos”
SOLIM Alentejo
Centro Distrital de Évora do ISS I.P.
Núcleo de Atendimento às Vítimas de Violência Doméstica de Portalegre
Movimento Democrático das Mulheres
CM Évora
CPCJ Évora
Delegação Regional do SEF de Évora
GNR de Évora
ARSA/DICAD–CRI
Cruz Vermelha Portuguesa–Delegação de Évora;
CM de Reguengos de Monsaraz
A.C.I.R.M.A.
CM Avis
TAIPA
CM Moura
Associação Caboverdiana de Sines
ACES Alentejo Central
ARS Alentejo
Identificação do Princípio(s) em que a prática se inscreve. Selecione uma ou mais das seguintes opções: Participação, Transparência e Responsabilização, Igualdade de Género

3. Fundamente a(s) escolha(s) acima referida(s): apenas o princípio que quer ver referenciado ou reconhecido

4. Caracterização e Construção da Prática

A que problema pretende responder? Que solução foi implementada?: Necessidade de fortalecer a ação a nível local: atuar localmente, seguindo uma perspetiva de proximidade, em estreita colaboração com profissionais qualificados da instituições governamentais e não governamentais, nomeadamente as agências de aplicação da lei e os três centros de acolhimento e proteção a vítimas de TSH. É através desse trabalho colaborativo que a estabilização emocional e a reintegração social da vítima são promovidas através de apoio psicológico, social, social e jurídico.
Que competências foram necessárias para a construção da prática?: Fruto da desocultação do fenómeno e aumento significativo dos processos de sinalização, identificação e (re)integração de vítimas de TSH em Portugal e consequentes solicitações de apoio técnico psicossocial especializado, em 2012, inicia-se a intervenção em Portugal dos Projetos SOS TSH: Equipas Especializadas para a Assistência a Vítimas de Tráfico do Norte, Centro, Lisboa e Alentejo. Estas Equipas passam a trabalhar em rede enquanto intervenção de assistência a vitimas de tráfico.
Como foram envolvidos os beneficiários e destinatários da prática?: Seguindo uma perspetiva de proximidade, em estreita colaboração com profissionais qualificados da instituições governamentais e não governamentais, nomeadamente as agências de aplicação da lei e os três centros de acolhimento e proteção a vítimas de TSH.
Que metodologias e instrumentos foram utilizados?: sem info
Que dificuldades e obstáculos foram encontrados? Quais as formas encontradas para os superar?: sem info
A prática contribuiu para o reforço das competências dos atores, agentes e organizações envolvidos na sua construção? Quais e em que medida?: sem info
A prática demonstra valor e mais-valias que garantem a sua autossustentação e viabilidade?: sem info
Liste e anexe evidências relevantes para aprofundamento da prática (links sites, fotografias, documentos resumo, documentos síntese de avaliação, testemunhos, notícias, etc.: sem info

5. Transferência, Incorporação e Disseminação da Prática

Em que medida pensa que a prática pode ser útil a outras organizações?: sem info
Em que medida estaria disponível para apoiar uma adaptação da prática a outros contextos ou trabalhá-la em parceria com a Rede ANIMAR?: sem info
Mostrar Entrada no Site: Sim, quero mostrar a minha entrada no site

Redes e Parcerias

Parceiro1 Cases   Parceiro2 Ripess   Parceiro3 CNES   Parceiro4 Comuna Carta Portuguesa para a Diversidade

Financiado Por

 financiadores02 financiadores03 financiadores04