inovacao cor barra 2d4f04

Práticas de Inovação Social

Alto Tâmega Empreende

1. Identificação da Entidade – Prática

Qual a designação da prática: Alto Tâmega Empreende
Prática em: Referenciação
Entidade Responsável pela Prática: Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega em parceria com ADRAT – Associação de Desenvolvimento da Região do Alto Tâmega
Pessoa de Contato na Entidade: Alexandrina Martins
E-mail: at.empreende@gmail.com
Página Web e/ou Redes Sociais: http://altotamegaempreende.pt/ https://www.facebook.com/Alto-T%C3%A2mega-Empreende-1157824610909783/
Telefone: 276340920

2. Identificação da Prática de Qualificação / Capacitação /Inovação Social

Identificação das áreas temáticas (Escolher a(s) opção/opções que melhor enquadre a prática): Desenvolvimento Rural, Empregabilidade / Empreendedorismo, Formação / Capacitação, Boa Governação, Transparência e Participação
Objetivos e finalidade da Prática: Pretende-se capacitar o território para o empreendedorismo, visando a estruturação e coordenação da rede de promoção do empreendedorismo, com 3 funções principais:

(i) espaço rede - mobilização de um conjunto de entidades locais e regionais e da coordenação das suas atividades no sentido de
garantir o apoio ao empreendedorismo (o planeamento dos serviços de prospeção, informação, formalização da ideia de negócio,
formatação da empresa/projeto, financiamento, inovação e transferência de tecnologia, incubação e acolhimento empresarial e
acompanhamento e apoio à gestão de projetos);

(ii) espaço de serviço - criação de uma plataforma de serviços de apoio ao empreendedorismo disponível para as entidades da rede e para o empreendedor;

(iii) espaço de projeto - identificação e montagem de projetos estratégicos de apoio ao empreendedorismo e do seu desenvolvimento
através de uma ou mais entidades da rede.
Beneficiários e destinatários - público-alvo: São beneficiários deste projeto quer os desempregados que pretendam criar o próprio emprego, que empreendedores que queiram aumentar o n.º de trabalhadores das suas empresas. Os beneficiários
podem ser pessoas do Alto Tâmega ou potenciais investidores na região. Desta forma, os destinatários desta intervenção serão toda a população da região.
Parceiros comprometidos com a prática [Indique as organizações comprometidas, formal e informalmente, com a prática]: Além da CIM do Alto Tâmega em parceria com a ADRAT, estão envolvidas as entidades: ACISAT – Assoc. Empresarial do Alto Tâmega, Ecomuseu De Barroso, Gabinete de Promoção ao Investimento de Chaves, Gabinete de Promoção e Apoio às Atividades Económicas e Turismo – Montalegre, Gabinete de Promoção ao Investimento de Boticas, Gabinete de Apoio ao Empresário de Vila Pouca de Aguiar, Gabinete de Promoção ao Investimento de Ribeira de Pena e Gabinete de Promoção ao Investimento de Valpaços.
Identificação do Princípio(s) em que a prática se inscreve. Selecione uma ou mais das seguintes opções: Participação

3. Fundamente a(s) escolha(s) acima referida(s): apenas o princípio que quer ver referenciado ou reconhecido

4. Caracterização e Construção da Prática

A que problema pretende responder? Que solução foi implementada?: O Programa Alto Tâmega Empreende pretende fazer face às dificuldades existentes no Alto Tâmega, no que se refere ao processo de desertificação, baixas qualificações e fracas condições de vida é fundamental reforçar o potencial empreendedor da região, valorizando suas as características e potencialidades.
Que competências foram necessárias para a construção da prática?: Foi necessário trabalhar as competências dos técnicos que ficaram afetos aos gabinetes da rede. Foram realizadas ações de capacitação: Animadores de Iniciativas Empresariais Locais, com o intuito de preparar técnicos para o atendimento, informação e orientação a potenciais empreendedores; Ateliers de Ideias –estimular a criatividade e inovação das ideias de negócio; apoiar os empreendedores a analisar uma ideia de negócio sob várias perspetivas de viabilidade.
Como foram envolvidos os beneficiários e destinatários da prática?: No sentido de envolver beneficiários e destinatários, existiram ações de promoção regionais informando sobre o projeto e como beneficiar do mesmo. Existem muppis, notícias nos jornais, site, redes sociais, plataforma de gestão de empreendedores, evento com momentos institucionais e de partilha de práticas existentes e com stands de entidades relevantes em matéria de empreendedorismo e do próprio programa… Os eventos foram para o público em geral, com exceção das ações de capacitação de técnicos.
Que metodologias e instrumentos foram utilizados?: A operacionalização do plano aqui apresentado, é feita de forma transversal e interdisciplinar, com vista à maximização de todos os recursos a afetar na sua implementação. Este plano compreende as seguintes etapas:Promoção do plano de empreendedorismo do Alto Tâmega – ações que visem a disseminação do plano, das suas diversas ações e de resultados;Implementação e monitorização do plano – fomento de atividades individuais e em rede no sentido amplo e transversal, a nível sectorial, que reforcem o empreendedorismo regional. Monitorização das diversas fases para verificar se é necessário efetuar algum ajustamento ao anteriormente planeado. Avaliação – avaliação de impacto da implementação de um plano de ação regional. Toda a área de atuação assentará nos principais vetores: Disseminação de uma cultura de desenvolvimento;Dinamização da investigação e inovação aplicada; Apoio técnico;Fomento da Cooperação;Apoio à criação e modernização de empresas.
Que dificuldades e obstáculos foram encontrados? Quais as formas encontradas para os superar?: Dada a falta de informação, ainda existente, sobre os programas de apoio torna-se difícil fidelizar os beneficiários e, da mesma forma verifica-se uma desmotivação e um menor envolvimento por parte dos próprios técnicos. A forma de superar estas questões, visa por um lado envolver os beneficiários em ações de formação e capacitação permitindo que se sintam integrados no processo e por outro lado criar momentos de elaboração de dinâmicas de grupos e momentos de trabalho conjunto de suporte às atividades que os técnicos têm de desempenhar.
A prática contribuiu para o reforço das competências dos atores, agentes e organizações envolvidos na sua construção? Quais e em que medida?: Tal como referido, este programa engloba o desenvolvimento de ações de capacitação para as entidades envolvidas, quer ao nível da Parceria de Desenvolvimento, quer ao nível da Rede de Apoio Local. Desta forma teremos técnicos mais qualificados para o empreendedorismo e, por conseguinte, agentes e organizações mais capacitadas. Das ações previstas, podemos enunciar por exemplo: atendimento, competências informáticas sobre a plataforma de gestão de empreendedores, qualidade, programas de apoio, entre outras.
A prática demonstra valor e mais-valias que garantem a sua autossustentação e viabilidade?: A estratégia definida para o Alto Tâmega insere-se numa estratégia de desenvolvimento regional com a qual se pretende dotar a região de um Programa de Emprego baseado num sistema empreendedor com apoio a nível estrutural e de coordenação favorecendo as sinergias a nível do empreendedorismo regional, como factor de desenvolvimento integrado e sustentável da região.
A criação de emprego é, sem dúvida, um dos principais objetivos para a região do Alto Tâmega. A criação de postos de trabalho é uma forma de ajudar a fixar a população mais jovem e evitar o despovoamento das zonas de montanha, nomeadamente nos sectores tradicionais como a agricultura. No entanto, também temos atividades concernentes ao desenvolvimento económico e empreendedor, cultura e tradição, formação e educação, etc.
Liste e anexe evidências relevantes para aprofundamento da prática (links sites, fotografias, documentos resumo, documentos síntese de avaliação, testemunhos, notícias, etc.: Fotografias, notícias, folhas de presença

Anexos

alto-tamega-empreende2.jpg

5. Transferência, Incorporação e Disseminação da Prática

Em que medida pensa que a prática pode ser útil a outras organizações?: A partilha da prática descrita, permite que, caso outras entidades pretendam realizar um processo da mesma natureza, consultem este descritor e melhorar a sua prática. Constitui uma forma de aprendizagem para outras instituições.
Em que medida estaria disponível para apoiar uma adaptação da prática a outros contextos ou trabalhá-la em parceria com a Rede ANIMAR?: Será possível criar momentos de partilha de experiências sobre a prática enunciada, quando solicitada a colaboração por parte da ANIMAR.
Mostrar Entrada no Site: Sim, quero mostrar a minha entrada no site

Redes e Parcerias

Parceiro1 Cases   Parceiro2 Ripess   Parceiro3 CNES   Parceiro4 Comuna Carta Portuguesa para a Diversidade

Financiado Por

 financiadores02 financiadores03 financiadores04