inovacao cor barra 2d4f04

Práticas de Inovação Social

Participação das crianças e jovens no projeto Carta da Cidadania Infantojuvenil

1. Identificação da Entidade – Prática

Qual a designação da prática: Participação das crianças e jovens no projeto Carta da Cidadania Infantojuvenil
Prática em: Referenciação
Entidade Responsável pela Prática: Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais
Pessoa de Contato na Entidade: Vítor Araújo
E-mail: v_araujo@adcl.org.pt
Página Web e/ou Redes Sociais: http://www.adcl.org.pt
Telefone: 253408533

2. Identificação da Prática de Qualificação / Capacitação /Inovação Social

Identificação das áreas temáticas (Escolher a(s) opção/opções que melhor enquadre a prática): Cidadania e Igualdade, Crianças e Jovens, Boa Governação, Transparência e Participação
Objetivos e finalidade da Prática: A prática está a ser colocada em prática no Projeto da Carta da Cidadania Infantojuvenil, que tem como objetivo a construção de um documento de definição estratégica da promoção dos direitos das crianças e dos jovens no Município de Guimarães. Neste sentido, a finalidade da prática é garantir a participação das crianças e dos jovens em todos os momentos do projeto, para que a Carta reflita as suas preocupações e propostas.
Beneficiários e destinatários - público-alvo: Esta prática pode ser desenvolvida em projetos que tenham como objetivo estimular a participação da comunidade.
Parceiros comprometidos com a prática [Indique as organizações comprometidas, formal e informalmente, com a prática]: A Câmara Municipal de Guimarães e a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Guimarães assumem um papel de facilitadores, no sentido de disponibilizarem recursos e atuarem como interlocutores junto de diferentes organismos, por forma a potenciarem a participação efetiva de crianças e jovens, que de outra forma poderia não se realizar.
Identificação do Princípio(s) em que a prática se inscreve. Selecione uma ou mais das seguintes opções: Participação

3. Fundamente a(s) escolha(s) acima referida(s): apenas o princípio que quer ver referenciado ou reconhecido

4. Caracterização e Construção da Prática

A que problema pretende responder? Que solução foi implementada?: Esta prática pretende responder ao problema de as crianças e os jovens não serem “ouvidos” aquando da elaboração dos instrumentos políticos que têm como propósito regulamentar sobre as crianças e jovens. Para além disso propõe-se a articular politicas publicas no âmbito das crianças e jovens.
Que competências foram necessárias para a construção da prática?: Criatividade e inovação aquando da elaboração do projeto onde esta prática está a ser colocada em prática. Pois permitiu que as crianças e jovens se apropriassem e ajudassem a construir a Carta da Cidadania InfantoJuvenil.
Como foram envolvidos os beneficiários e destinatários da prática?: A prática visa a participação ativa de crianças e jovens nas atividades do projeto. Num 1º momento, foram contactados diversos organismos com o intuito de sinalizarem 8/10 crianças e jovens para a constituição dos grupos focais no concelho de Guimarães.Num 2º momento foram sinalizados jovens para fazerem parte do painel de acompanhamento e participarem nas atividades de avaliação do projeto.O passo seguinte foi envolve-los (as) na organização e dinamização dos Conselhos da Cidadania.
Que metodologias e instrumentos foram utilizados?: No projeto é utilizada uma metodologia de participação significativa em que as crianças e dos jovens são informados acerca de todas as atividades que estão a decorrem e têm poder de decisão sobre a organização das atividades. Foi elaborado um modelo de consentimento informado que todos os participantes preencheram.
Que dificuldades e obstáculos foram encontrados? Quais as formas encontradas para os superar?: O principal obstáculo encontrado foi a manutenção da participação das crianças e dos jovens de uma forma repetitiva, ou seja os jovens participam num primeiro momento (reunião do grupo focal/conselho da cidadania), depois tem alguma resistência em manter a disponibilidade para participar nos seguintes. De forma a minorar este efeito foram reforçados os apelos à participação dos jovens, através de contactos telefónicos e marcação de reuniões informais para os sensibilizar para a importância de participarem.
A prática contribuiu para o reforço das competências dos atores, agentes e organizações envolvidos na sua construção? Quais e em que medida?: A prática permitiu que a equipe técnica desenvolve-se conhecimentos acerca decomo potenciar a participação de crianças e jovens.
A prática demonstra valor e mais-valias que garantem a sua autossustentação e viabilidade?: Não aplicável
Liste e anexe evidências relevantes para aprofundamento da prática (links sites, fotografias, documentos resumo, documentos síntese de avaliação, testemunhos, notícias, etc.: As evidências da prática podem ser consultadas no site do projeto http://www.adcl.org.pt/ccij

5. Transferência, Incorporação e Disseminação da Prática

Em que medida pensa que a prática pode ser útil a outras organizações?: A prática pode ser útil para organizações/projetos que tenham como publico alvo crianças e jovens e os queiram envolver nos processos de decisão acerca das atividades que vão realizar.
Em que medida estaria disponível para apoiar uma adaptação da prática a outros contextos ou trabalhá-la em parceria com a Rede ANIMAR?: Sem informação.
Mostrar Entrada no Site: Sim, quero mostrar a minha entrada no site

Redes e Parcerias

Parceiro1 Cases   Parceiro2 Ripess   Parceiro3 CNES   Parceiro4 Comuna Carta Portuguesa para a Diversidade

Financiado Por

 financiadores02 financiadores03 financiadores04